CARACTERÍSTICAS DO CUIDADO A MULHERES COM TRANSTORNOS MENTAIS NA ATENÇÃO BÁSICA PARA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DE CASO

Michele Cecília Silva Torrézio, Nadja Cristiane Lappann Botti

Resumo


Objetivo: Este estudo teve como objetivo descrever o perfil e caracterizar o atendimento a mulheres com transtornos mentais pela Estratégia de Saúde da Família (ESF). Método: Estudo de abordagem qualitativa, realizado através da análise de prontuários de atendimentos de pacientes pertencentes à ESF da cidade de Divinópolis/MG, entre outubro de 2014 a março de 2015. Resultados/Discussão: Todas as pacientes faziam uso de algum tipo de medicamento para tratamento de morbidade clínica ou psiquiátrica, sendo a classe de ansiolíticos e antidepressivos os mais prescritos. Todas as mulheres foram atendidas na Atenção Básica, sendo o atendimento de livre demanda mais frequente que o atendimento agendado. Apesar de, a Atenção Básica ser a principal forma de entrada na rede de saúde, a continuidade do cuidado a essas pacientes não ficou evidenciado. Considerações finais: Existe a necessidade da criação de estratégias mais específicas, que visam promover a continuidade do acompanhamento e tratamento dos pacientes.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde mental / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília : Ministério da Saúde, 2013. 176 p. : il. (Cadernos de Atenção Básica, n. 34) 2. Brasil. A Reforma Psiquiátrica Brasileira e a Polítca de Saúde Mental. Disponível em . 3. Cezar PK, Rodrigues PM, Arpini DM. A Psicologia na Estratégia de Saúde da Família: Vivências da

Residência Multiprofissional. Psicol. cienc. prof. 2015; 35(1):211-224. 4. Correia VR, Barros S, Colvero, LA. Saúde mental na atenção básica: prática da equipe de saúde da família. Rev. esc. enferm. 2011; 45(6):1501-1506. 5. Estevam MC, et al.. Convivendo com transtorno mental: perspectiva de familiares sobre Atenção Básica. Rev. esc. enferm. USP [online]. 2011; 45, (3):679-686. 6. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Edital nº 14, de 08 de março de 2013. Edital para o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde - PETSaúde/Redes de Atenção à Saúde (PET-Saúde/Redes). Brasília: Diário Oficial da União; 11 Mar 2013 7. Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde, 2011. 8. World Health Organization. Who report on the global tobacco epidemic, 2008 – the MPOWER package. Geneva: World Health Organization 2008. 9. Rosen R, Ham C. Atención integrada: enseñanzas de evidencia y experiencia, informe delseminario Anual de Salud 2008 Sir Roger Banninster. Revista de InnovaciónSanitaria y Atención Integrada 2008; 1:2. 10. Marshall M, Gray A, Lockwood A, Green R. Withdrawn: case management for people with severe mental disorders. Cochrane Database System Rev [internet]. 2011; (4):CD000050. Disponível em: http://www.update-software. com/BCP/ WileyPDF/EN/CD000050.pdf. 11. Cohen EL, Cesta TG, editoras. Nursing case management: from essentials to advanced practice applications. 4ª ed. Philadelphia: Elsevier; 2005. 12. Wendt NC, Crepaldi MA. A utilização do genograma como instrumento de coleta de dados em pesquisa qualitativa. Psicologia: Reflexão e Crítica.2008, 21:302-310.

R. Enferm. UFJF - Juiz de Fora - v. 3 - n. 1 - p. 9-17 - jan./jun. 2017

Okkes IM, Oskam SK, Lamberts H.The probability of specific diagnoses for patients presenting with common symptoms to Dutch family physicians. J Fam Pract.2002;51:31–6 14. Kelly PJ, Deane FP, King R, Katanzis N, Crowe TP. A taxonomy for homework used by mental health case managers when working with individuals diagnosed with severe mental illness. Communy Mental Health J. 2007; 43(6):565-80. 15. Ribeiro KSQS. Redes sociais e educação popular: aproximação teórica e mudanças na prática de educação popular em saúde. In: Anais do V Colóquio Internacional Paulo Freire; 2005 set. 19-22; Recife, PE, Brasil. 16. Tanaka OY, Ribeiro EL. Ações de saúde mental na atenção básica: caminho para ampliação da integralidade da atenção. CienSaude Colet. 2009;14(2):477-486. 17. Lee D, Mackenzie A, Dudley-Brown S, Chin T. Case management: a review of the definitions and practice. J. Adv. Nurs. 1998; 2(7):933-9. 18. Henderson J, Willis E, Walter B, Toffoli L. Community Mental Health Nursing: keeping pace with care delivery? Int J Mental Health Nurs. 2008; 17:162-70. 19. Organização Pan-Americana da Saúde. Plano de Desenvolvimento Institucional da OPAS/ OMS no Brasil 2010-2011/ Organização PanAmericana da Saúde. Brasília: Organização PanAmericana da Saúde, 2010.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexada em